Ausência

A

Já disse que cada texto, escrito e posto por mim à disposição de eventuais leitores,  reflete um ato, uma impressão ou um momento que, de alguma forma tenha me impressionado.

Os tercetos que poderão ler abaixo foram pensados durante rememorações de conversas com Zilah sobre o que faria o sobrevivente de nós dois.  Obviamente as respostas iam mudando com o passar do tempo, entretanto, no fundo de nossas afigurações, evidenciava-se um misto de desejo e medo de estar só. Quase que invariavelmente, dizíamos um para o outro: “Eu quero ir primeiro”.  Cinquenta e dois anos depois de casados ela partiu…   E, agora, a ela e a quem queira ler, estou pedindo licença para ver se o desabafo diminui um pouco a dor provocada por essa ausência de quase oito anos durante os quais nada fiz do que afirmei fazer se ela partisse antes de mim.

Os tercetos heptassilábicos, apoiados em duas rimas bastante comuns, nada têm de especial na forma, nas rimas ou no ritmo, mas ilustra bem o que ela e eu sentíamos um pelo outro, embora os percalços, frustrações e renúncias, patrocinadores de altos e baixos em nossa relação, tenham nos aguilhoado e, no mais das vezes, com muita força. Graças a Deus, tanto os pés de vento quanto as perfumadas brisas primaveris foram deixando, assim que passavam, um pouquinho mais de cola em nossa união.

Mas, eis o “Ausência”.

Já no passo descendente
de nossa longa jornada
vamos juntos, calmamente,

você em mim apoiada,
eu cansado, mas contente
porque é bela nossa estrada.

E se, ao fim, o Onipotente
disser que a hora é chegada
para um de nós somente…

Que vá eu primeiro, amada,
porque não a quero ausente
um só segundo, um nada.

Sobre o autor

Antonio Naddeo

Há 68 anos, em 1950 surgia o ator, moldado até então pelas máquinas em uma indústria de cartonagem. Aos 16 anos passa a ser moldado pelo palco, pelos scripts e por uma incansável vontade de aprender.

Inserir comentário

Por Antonio Naddeo

Categorias

Antonio Naddeo

Há 68 anos, em 1950 surgia o ator, moldado até então pelas máquinas em uma indústria de cartonagem. Aos 16 anos passa a ser moldado pelo palco, pelos scripts e por uma incansável vontade de aprender.