No Não Tempo

N

Caminhar sobre incertezas…
Abraçar frágeis esperanças.
Sentir que cada gesto paira estático
como instantâneo de sonho mal lembrado.
Despertar, olhar para o alto e descobrir:
“O abismo é um convite!”.
Entender a mensagem cósmica.
Assombrado, perceber a própria pequenez ante o infinito.
Encontrar tudo em um único ponto entre o ontem e o amanhã.
Ser o hoje, só o hoje, nada além do hoje,
no não tempo que,
entre um segundo e outro,
retém a eternidade.

Sobre o autor

Antonio Naddeo

Há 68 anos, em 1950 surgia o ator, moldado até então pelas máquinas em uma indústria de cartonagem. Aos 16 anos passa a ser moldado pelo palco, pelos scripts e por uma incansável vontade de aprender.

Inserir comentário

Categorias

Antonio Naddeo

Há 68 anos, em 1950 surgia o ator, moldado até então pelas máquinas em uma indústria de cartonagem. Aos 16 anos passa a ser moldado pelo palco, pelos scripts e por uma incansável vontade de aprender.